sábado, 22 junho 2024
UMUARAMA/PR

Mulher afirma fazer sexo com fantasma; entenda o fetiche

Mulher afirma fazer sexo com fantasma; entenda o fetiche

Após influencer vender vídeo em que, supostamente, faz sexo com um fantasma, entenda o fetiche pela criatura sobrenatural

lg.php?bannerid=0&campaignid=0&zoneid=140&loc=https%3A%2F%2Ffanoticias.comNa última semana, a criadora de conteúdo adulto Bella Mantovani viralizou ao vender um vídeo em que, supostamente, faz sexo com um fantasma. De acordo com Bella, ela é medium e já há algum tempo passou a transar com os espíritos.

 

“Sei que esse é um fetiche para muita gente e ser escolhida para isso por esses espíritos me deixa honrada. O sexo é diferente, mas é gostoso […] Agora vocês podem ver como é transar com um espírito”, contou, no Instagram.

lg.php?bannerid=0&campaignid=0&zoneid=139&loc=https%3A%2F%2Ffanoticias.com

Apesar de não ser possível afirmar se o caso de Bella é real ou não, o fato é que o fetiche sexual por fantasmas é real e conhecido como espectrofilia.

De acordo com o psicólogo e especialista em sexualidade humana Marcos Santos, o desejo sexual por qualquer tipo de ficção e o fantasiar sobre algo são comuns, uma vez que tem as mesmas origens dos arquétipos estudados pela psicologia e filosofia.

“É importante entendermos que aquilo que é comum são coisas reconhecidas ou praticadas pela maioria da sociedade. A mesma origem dos mitos, lendas, demônios, alienígenas e monstros, mexe com o imaginário popular também sexualmente”, explica.

Além disso, Marcos afirma que, para algumas pessoas, o medo funciona como um poderoso afrodisíaco, por ser liberador de adrenalina.

“Ao longo da história, nos adaptamos às diferentes ameaças que geravam em nosso cérebro a necessidade de fugir ou enfrentar situações de vida ou morte. Hoje, é possível sentir as fortes emoções associadas ao medo sem ter suas consequências negativas, logo, torna-se sexualmente atrativo o que espanta ou causa temor”, afirma.

Por se tratar de um tema que tira o sono de muitas pessoas, este tipo de fetiche pode levantar dúvidas sobre ser saudável ou não. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), para a prática sexual ser saudável, ela deve preservar o bem-estar biopsicossocial do ser humano.

Marcos explica que o que determina isso é a forma como a pessoa lida com suas preferências na vida sexual. “Somente serão consideradas como transtorno quando causar angústia e sofrimento para si ou os outros”, diz.

Logo, é importante frisar que, apesar de ainda existir muito preconceito em torno do assunto, nem todo fetiche é um transtorno ou uma doença. Para o sexólogo, todas as pessoas têm fetiches em algum grau.

“Cada um se sente atraído por determinado local, objeto, estilo, postura, comportamento, vestimenta ou características físicas. No sexo, o fetiche é uma forma de se libertar dos padrões da sociedade, não existe consenso de certo ou errado nele. Todos os tipos de fetiches e fantasias são válidos, desde que não sejam ilegais ou acabem ferindo outras pessoas”, finaliza.

Participe do grupo de WhatsApp e receba todas as notícias em primeira mão. Clique aqui

Mais lidas

Notícias Relacionadas